Os segredos do obelisco vaticano da praça São Pedro

Obeliscos: o que precisamos saber?

O obelisco é um monumento comemorativo do Antigo Egito: de pedra, simboliza um raio de sol; em português usamos o termo do grego antigo obelìskos, ou seja, "espeto".

Os exemplares mais antigos remontam ao ano de 2.000 a. C.: de várias dimensões, celebravam divindades, faraós e defuntos.

Por que tem um obelisco egípcio na Praça São Pedro?

Em 1586 o Papa Sisto V ordenou que mudassem de lugar o obelisco que, antigamente, enfeitava o Circo de Calígula, colocando-o em frente à Basílica de São Pedro (naquele momento, em construção), para celebrar o triunfo da Igreja sobre o paganismo e a heresia. O obelisco foi então "cristianizado" com inscrições e com os símbolos do emblema sistino: os leões, os três montes e uma cruz de bronze que no século XVIII foi enriquecida com relíquias da Verdadeira Cruz.

A racionalização da estrutura exterior à Basílica vem a ser completada, dois séculos depois, com as colunas de Gian Lorenzo Bernini e a Via da Conciliazione.

Os números do Obelisco Vaticano

Dos 13 obeliscos antigos de Roma, o do Vaticano é o segundo por tamanho, depois daquele de Latrão.

Por ser desprovido de símbolos egípcios (hieróglifos), a sua paternidade era duvidosa; graças às fontes sabemos que foi encomendado por Amenemhet II para Heliópolis (Nordeste do Cairo) e, portanto, tem cerca de 4000 anos.

É um bloco de granito vermelho cujo corpo mede 25,31 metros e, com a base, atinge uma altura de 33,56 metros. Pesa 330 toneladas (somente a base pesa 175 toneladas).

No início, o Obelisco encontrava-se no local da atual Sacristia de São Pedro e, Domenico Fontana, arquiteto do Papa Sisto V, levou 13 meses para movê-lo, usando uma estrutura de madeira presa a cordas e guinchos, e a força motriz de 900 homens e 75 cavalos.

Transportado a Roma em uma embarcação cheia de lentilhas

Com a conquista do Egito, por Otaviano em 30 a. C., os romanos obtiveram uma enorme quantidade de despojos de guerra.

Por vontade de Otaviano, inicialmente, o Obelisco Vaticano foi transportado para Alexandria, que o dedicou a Júlio César; por fim, entre os anos 37 e 41 d. C. foi trazido para Roma porque Calígula o queria em seu circo privado, e ordenou que fosse dedicado aos seus antecessores Augusto "filho do divino Júlio" e Tibério "filho do divino Augusto".

O obelisco viajou pelo Mediterrâneo em uma embarcação de 80 metros de comprimento, carregada de 1.000 toneladas de lentilhas e, depois dessa prestigiosa carga, o navio foi recheado com uma fundição de pozolana e afundado no Porto de Ostia, para se construir um píer.

Depois do incêndio de Roma, Nero desencadeou a primeira perseguição à comunidade cristã na qual morreu São Pedro, crucificado no circo vaticano, sob o obelisco egípcio.

O obelisco e o solstício: o relógio de sol da Praça São Pedro

Em 1817 os paralelepípedos da Praça São Pedro foram decorados com uma rosa dos ventos e um relógio de sol. A sombra projetada do obelisco marca os movimentos do sol ao meio dia sobre os signos do zodíaco: e, nos dois discos, nas extremidades, é possível observar os dois solstícios, de verão e de inverno.